Vamos dar um rumo na nossa empresa familiar!

A diferença entre empresa familiar e não-familiar não está só na força da emoção, mas também na ocupação diária das pessoas. Elas saem de casa para a empresa, da empresa vão para casa. São dois ambientes que absorvem praticamente todo o tempo das pessoas. Quando não estão nestes dois ambientes, volta e meia surgem assuntos ou fatos a eles ligados.
Numa empresa não-familiar, os dois ambientes existem separados, há interligação só nos bastidores. Na empresa familiar, a ligação é direta, constante, existe mistura quase total das vidas nos mesmos lugares. Humanamente impossível uma separação íntima de cada parente, ou seja, no trabalho não se toca em assunto doméstico e vice-versa. Teriam que ser máquinas com dois botões no coração: Família.Liga.Desliga / Empresa.Liga.Desliga. Na empresa não-familiar há soma, na familiar há multiplicação de encontros, sentimentos, pensamentos e metas. Nela, entra o segundo e fortíssimo aspecto: esta multiplicada mistura é temperada por ingredientes que geram oscilantes ações e reações dentro do ser humano: afeto-dinheiro-poder-vaidade-profissão. Nas cidades do interior e em certos setores, a mistura empresa-família ganha fermento.
As relações são muito mais estreitas e intensas nas cidades fora das regiões metropolitanas. Famílias se encontram (casa, trabalho, igreja, clube, bar, comércio, partidos etc), convivem há anos e anos. Nos setores de varejista e de auto-postos, parentes se falam num corpo-a-corpo diário entre eles, equipes e clientes, sem distâncias ou divisórias, e ainda, com problemáticos períodos de falta de movimento…
As relações ficam abertas, um entra no espaço do outro mesmo sem querer. Vale lembrar dos setores mais saudosistas, românticos, como supermercados e gráficas que, normalmente, nasceram de empreendedores intuitivos, de pouca formação educacional, com notáveis jornadas de muito suor e longos expedientes, que se apaixonaram pelo que criaram… Empresa familiar tem inúmeras vantagens em cima dos concorrentes. Dos 300 grandes grupos brasileiros, 265 são familiares; entre pequenos e médios, 85%. O sucesso começa quando os parentes (titulares em especial) afirmam:

Vamos dar um rumo nas relações familiares na nossa empresa!

Enquanto não houver esta incisiva decisão, será perder tempo, dinheiro, aumentar conflitos e… ouvir aplausos dos concorrentes. A contratação de consultor, praticada pela maioria das empresas familiares vitoriosas, será desperdício total.
Por outro lado, se ocorrer a decisão de dar um rumo, titulares ganharão qualidade de vida e sucessores garantia de futuro. Com tempo, critério, deve-se elaborar programa de entrada para os novos e de saída para os dirigentes. Não é tarefa simples, daí, a importância do consultor para ajuste da gestão e das relações.
Um interessante paralelo para ilustrar a grave conseqüência da empresa familiar sem rumo: Costuma-se falar que empresários fazem tamanho esforço para ganhar dinheiro que se esquecem da saúde. No futuro, doenças vão atrapalhar a boa condição financeira para gozar a vida e gastarão o dinheiro acumulado para pagar tratamentos de saúde… Na empresa familiar, quando não se toma uma decisão a tempo, o dinheiro é mal gasto (carros, imóveis, viagens, festas etc) e, lá na frente, a família terá que se desfazer de bens para pagar dívidas da empresa…

José Renato de Miranda
rdemiranda@consultoriadeimpacto.com.br 
www.consultoriadeimpacto.com.br / www.empresafamiliarconsultoria.com.br

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *